Crítica: O Protetor

oba

Denzel Washington é um daqueles atores que salva qualquer filme. Suas parcerias com Tony Scott e Antoine Fuqua foram um exemplo de como o ator consegue se ligar muito bem com papeis de “heróis” comuns. A irregularidade dos diretores nunca foi um problema para Washington, que sabe lidar muito bem com as adversidades.

opos
Uma vez mais, o ator retoma a parceria com Fuqua, para interpretar um personagem que é um justiceiro dos mais corriqueiros no cinema atual; mas pela interpretação de Washington, ganha um significado diferente, um símbolo da figura do senso social, emergente das grandes crises, do desespero da população.

o1

“O Protetor”, não passa de um “equalizador”, um contra balanço em relação à violência, o desemprego, à fraca economia. Roberto (Denzel) é sim um homem comum, que ao menos tempo emerge e apresenta uma aura de herói dos quadrinhos. Não são necessários múltiplos inimigos, nem explosões mirabolantes e vilões estereotipados, para fazer de um herói, o que ele realmente é.

o2

Ao longo de quase 2 horas de filmes, são poucos os momentos em que vemos um herói exercer o seu trabalho. E na principal sequência do filme, ele resolve ocultar sua presença, ao invés de aplicar golpes de artes marciais, para mostrar que é alguém digno de aplauso. Timidamente ele prospera como se fosse um anjo da guarda, ao mesmo tempo em que se aproxima a passos largos da morte, e sente medo disso.

o3
Em pleno século 21, não é de se admirar que um homem, possa ser um herói. “Dirty Harry” de Clint Eastwood, Ethan Hunt de “Missão Impossível” e até “Xander Cage”, de Vin Diesel, todos eles, tentaram se aproximar o mais rapidamente possível da figura do homem (e/ou da mulher) como liderança, na sociedade. Alguns conseguiram, outros falharam, mas sempre tentaram. “O Protetor” é de Denzel Washington, sem sombra de dúvidas. Martin Csokas se esforça para entregar um vilão à altura, e quase ofusca o astro, mas em seu próprio discurso existe a descrença sobre a função do vilão: “eu só faço o meu papel, é para isso que estou aqui”.

4 DONUTS

Ótimo

2 comentários em “Crítica: O Protetor

Comentar...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s